sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Na cama da mamãe e do papai


Hoje pela manhã quando abri os olhos a minha primeira visão foi o rostinho da Sofia me olhando, ela já estava acordada quietinha e olhando para mim. Imediatamente pensei “como é bom acordar vendo esse rostinho” e ouvi em seguida “mamãe, eu te amo”. Nossa isso é bom demais, felicidade total.

Lembrei-me de toda a literatura sobre educação infantil, da pediatra, da escola, enfim, de todos que ressaltam os aspectos negativos dos filhos dormirem na cama dos pais, mas na verdade eu só consigo enxergar pontos positivos.

Com a Ana Luiza comecei fazendo tudo conforme manda o figurino, ela dormia no bercinho, eu ia lá amamentava e colocava no berço novamente até ser vencida pela exaustão. Foi aí que resolvi deixá-la na minha cama só por uma noite para ganhar alguns segundos a mais de sono já que eu não precisaria ir até o quarto dela e voltar. A noite foi ótima! Ela acordou menos vezes durante a noite e ainda dormiu até mais tarde, tudo de bom, quase uma noite de sonhos. Resolvido, ela dormiria na minha cama por um “tempinho” para eu poder descansar mais. Resultado, a criança dormiu na minha cama até os 6 anos de idade.

Com a Sofia também comecei fazendo tudo conforme manda o figurino até ser vencida pela exaustão novamente e passei a criança para a minha cama. Dessa vez seria só enquanto ela mamasse no peito. Acontece que quando a Sofia dorme com a gente ela acorda bem mais tarde, o mesmo que acontecia com a Ana Luiza. Como eu adoro dormir mais um pouquinho que seja, a minha tentativa de deixá-la na cama dela dura no máximo dois dias.

Foi fácil tirar a chupeta das duas, da Ana Luiza eu tirei a chupeta com 8 meses e da Sofia com 1 ano. Foi superfácil tirar a fralda das duas, tirei a fralda diurna e noturna de uma única vez, da Ana Luiza com 2 anos e da Sofia com 2 anos e 4 meses. Foi fácil tirar o peito das duas, a Ana Luiza parou de mamar com 1 ano 2 meses e a Sofia com 1 ano e 4 meses. Foi fácil tirar a mamadeira das duas.
O que eu observei hoje é que foi fácil tirar a chupeta porque eu estava convencida que estava em boa hora para fazê-lo. O desfralde foi fácil porque eu estava convencida de que as meninas estavam preparadas para tal. Suspender a amamentação foi fácil a partir do momento em que eu me convenci de que já era suficiente. Tirar a mamadeira noturna e diurna foi fácil a partir do momento em eu já estava mais descansada e não percebia mais tanta praticidade nas tais mamadeiras.

Ou seja, as meninas só irão dormir nas camasdelas quando eu estiver decidida a fazer. Na verdade eu adoro dormir com as minhas filhas na minha cama, adoro acordar vendo aquelas carinhas lindas. E quando eu ouço “mamãe, eu te amo”, aí é que não consigo mesmo ver os aspectos negativos dessa atitude. Concluí, que no meu caso, é Mãe dormindo com as Filhas.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Comemorando o quê?

Não era nenhuma data especial, mas eu tive a vontade de mandar uma cesta de café da manhã para as minhas filhas, uma cesta infantil para cada uma.
Por que temos que ter uma data para comemorar, para presentear alguém?
Então, encomendei com uma amiga do trabalho uma cesta de café da manhã para cada uma. A cesta foi bem personalizada, com todas as delícias que as meninas adoram, supercaprichada, daquelas que a gente olha e vê que foi feita com carinho especial.

Na segunda-feira pela manhã as cestas chegaram e o nosso café da manhã foi uma delícia e divertido.

Cesta da Ana Luiza no quarto dela. Surpresa preparada para quando ela acordasse.

Cesta de café da manhã


Sofia se deliciando.


Sofia achou que as cestas eram da Chapeuzinho Vermelho e claro, entramos na fantasia.
Depois no almoço aproveitamos os bolinhos que vieram e fizemos um aniversário de bonecas.


domingo, 10 de janeiro de 2010

Cirque Du Soleil

Quidam - mais um espetáculo maravilhoso e estreia da Sofia como espectadora do Cirque du Soleil. Fomos:
Chris, Antonio, Ana Luiza, Sofia e Vó Regi.


Em 2008 assistimos "Alegria" e realmente ficamos muito alegres.



Em 2006 vimos "Saltimbanco" e saimos do espetáculo saltitantes.




Em 2004 foi a primeira vez que eu e a Ana Luiza fomos ao Cirque du Soleil e adoramos.


sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Onze anos atrás

segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

Fada Elvira

Domingo, um calor insuportável no Rio de Janeiro, nada para comer em casa e a Sofia com fome querendo almoçar. Resolvemos ir no shopping, pois o mais importante era ter ar condicionado, e almoçar no Emporium Pax, escolha da Ana Luiza. Chegando lá a Sofia avisou que queria comer arroz colorido, aquele do Chinês. O maître com toda a boa vontade providenciou um arroz colorido, prato que não consta no cardápio, para ela. Quando chegou o arroz supercolorido com cenoura, milho e ervilha a Sofia falou :

- Esse arroz não tem folha e tem bola verde. Eu não gosto de bola verde. Esse arroz não tem ovo, tem milho.

Era só o que me faltava, a criança encrencar com o arroz feito especialmente para ela. Por uma fração de segundo pensei "Ai, vai rolar confusão familiar, o que eu faço para resolver a situação sem perturbar o nosso almoço?"
Lembrei da história "A princesa e o grão de ervilha" e aproveitando que a Sofia estava vestida de princesa expliquei que a bola verde é ervilha e que a Fada Elvira, uma fadinha toda verdinha, é que coloca ervilha nos pratos das princesas crianças. A Fada Elvira estava lá na cozinha do restaurante e viu pela janelinha aquela menina linda entrando no restaurante vestida de princesa e quis saber se era uma princesa de verdade. Como saber se é uma princesa de verdade? Ah, as princesas mordem as bolinhas verdes e conseguem ouvir o nome Elvira e por isso adoram comer aquele grãozinho. Eu mordi uma ervilha sem que a fada visse e ouvi apenas um "ploct" e aí foi a vez da Sofia experimentar. Não preciso nem dizer que ela ouviu Elvira ao morder a ervilha, viu a fada na janela da cozinha, comeu o arroz colorido que não era chinês (mas era delicioso) todinho sem catar as ervilhas.
Quando chegou em casa me pediu para desenhar a Fada Elvira para ela colorir. O desenho não ficou lá essas coisas, mas a Sofia gostou, só não teve paciência de colorir até o final.




Fada Elvira fazendo uma chuva de ervilhas no prato da Princesa Sofia



Eu fazia várias invenções dessas com a Ana Luiza, é uma pena que não registrei e acabei esquecendo.

Casa da Vó do Forró

As meninas adoram ir para Cabo Frio, mas por, incrível que pareça, aquela praia maravilhosa não é o maior atrativo para a Sofia e a Ana Luiza.


Ir à piscina e comer um churrasquinho do Vô Neném, isso é unanimidade, as duas amam.
A Ana Luiza atualmente gosta mesmo é de ficar curtindo a Vó Regi, vendo DVD, lendo.
A Sofia já prefere tudo o que já foi preferência da Ana Luiza um dia: andar de bicicleta na pracinha, dar comida para os peixes no lago, ir à feira hippie (isso merece uma postagem).




Agora, o grande preferido é o passeio de trem. A Sofia simplesmente ama. A Ana Luiza já gostou muito e hoje acha ridículo, mas até que ela deu uma voltinha para fazer a vontade da irmã.


Eu tenho muitas horas rodadas nesse trem, é inacreditável. Estão sendo várias com a Sofia que se encanta com a Minie, já foram várias com a Ana Luiza que era apaixonada pelo "Daltama".


Sem falar nos muitos passeios com a Manu que na época adorava o Fofão.



O tempo passa, muitas coisas mudam, mas outras se mantém.

Circo sem animais

Li na Revista da TV desse domingo que a macaca Kate que faz o Xico na novela "Caras & Bocas" vai se aposentar no final da novela e irá para um "santuário da vida selvagem".
Foi aí que me lembrei da macaca Kate do Circo do Beto Carreiro que a Ana Luiza adorava. É a mesma macaquinha que faz o Xico na novela.



Concordo plenamente com a lei que não permite animais em circos, mas a verdade é que a partir daí fomos muito menos ao circo. Levamos a Sofia apenas duas vezes no Circo Reder, no teatro. Circo de lona mesmo, ela ainda não conhece. A Sofia vai estrear no Cirque du Soleil. Já a Ana Luiza curtiu muitos espetáculos e o que ela mais gostava realmente era dos animais.

Tia Manu, Chris, Sofia, KK, Olinda e Kate no Beto Carreiro em 2000

De qualquer forma ficamos mais felizes em saber que a Kate está em um "santuário da vida selvagem" do que em um picadeiro.

domingo, 3 de janeiro de 2010

Parque Lage

Fomos tomar um café da manhã no Cafe du Lage no Parque Lage que é maravilhoso e as meninas adoram. O sonho delas é poder mergulhar naquela piscina. Aí o café vai ficar mais do que completo.


Vó Regi estava com a gente nesse passeio.


Depois aproveitamos para fazer um passeio pelo jardim e curtir um pouco a natureza.
Como as meninas tinham acabado de ver o filme Mistério de Feiurinha foi nessa fantasia que embarcamos. A casa do parque ficou sendo o Castelo da Feiurinha, passamos pelo Bosque da Chapeuzinho Vermelho, fomos na gruta da Bruxa que pegou a Feiurinha, passamos pela torre onde a bruxa prendeu a Rapunzel, paramos no lago para dar pão para os peixes e acabamos no parquinho.



Quando a Ana Luiza era pequena nós também fantasiávamos os passeios no Parque Lage. O bosque era do João e da Maria, o lago dos patos era da Bela e a Fera, a Torre sempre foi da Rapunzel e a gruta era da Cuca. Ela adorava fazer exploração das grutas. Levávamos lanterna e lá íamos nós pé ante pé descobrindo cada buraquinho da gruta e imaginando uma aventura. Teve uma vez que ela achou um caroço de jaca e acreditou que era um ovo de dinossauro. Levou aquele caroço para casa e cuidou esperando o bebê Dino nascer. Alguns dias depois eu disse que a mamãe Dino apareceu querendo o ovinho dela e eu devolvi.

Aqui a Ana Luiza em 2003, devia estar na fase do Tarzan.

Para completar o passeio encontramos a minha amiga Helga. Pena que não tirei uma foto com ela nessa árvore. Tudo bem fica para a próxima quando formos à cachoeira.

Família Boleira de Farinocha

No final do ano passado a Sofia trouxe da escola uma boneca feita com bola de encher (ou balão de festa de aniversário) recheada de farinha. Ela se divertiu muito com a boneca até que um belo dia a Xina, nossa cachorrinha, resolveu entrar na brincadeira. Claro que não deu certo e a boneca foi devidamente destruída.
A partir daí a Sofia me pediu para fazer outra boneca e me explicou como a professora Márcia tinha feito as bonecas na escola:

pega uma bola, um funil, uma colher, um lápis para amassar a farinha no fundo da bola e farinha de trigo. Vai enchendo a bola de farinha com o funil, apertando com o lápis e ficando toda suja de farinha. Foi assim que fizemos a Família Boleira de Farinocha, sujando além de nós, toda a cozinha.




Essas bonecas podem mudar de forma conforme a brincadeira, ficando mais redondas ou mais achatadas. Acho que esse é o grande barato.
Acrescentamos a Cléo Patrícia (nossa gatinha persa) e ainda está faltando fazer Vó Regi Boleira de Farinocha e Vô Neném Boleira de Farinocha.



Enquanto brincávamos fizemos a história da Família Boleira de Farinocha em Cabo Frio que foi filmada em duas partes que estão aqui: parte 1 e parte 2. A segunda parte ficou rápida e com alguns cortes, pois a bateria da máquina estava acabando.



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
▲ Topo