quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Salada Futebolística

Hoje foi dia de brincar de fazer comidinha. O resultado da nossa brincadeira foi esse sanduíche de salada de atum em forma de campo de futebol.


Salada de atum decorada

O que utilizamos:

- fatias de pão de forma (a quantidade depende do tamanho da bandeja);
- 1 lata de atum;
- 1/2 vidro de maionese;
- alface;
- 6 ovos de codorna;
- 6 tomatinhos cereja;
- mostarda;
- ketchup;
- azeitonas.

Como fizemos:

Forramos a bandeja com fatias de pão de forma.


Fizemos uma pasta de atum com maionese e cobrimos as fatias de pão.


Cortamos o alface bem fininho, espalhamos por cima para fazer o gramado.


Com a mostarda fizemos a marcação do campo.


Aí foi só colocar os times em campo. E o jogo foi entre Fluminense, tomates vermelhos e azeitonas verdes, e China, ovos de codorna e ketchup. Na verdade, a Sofia queria que fosse Fluminense e Botafogo, mas não tínhamos azeitonas pretas em casa. Daí ela resolveu colocar o ketchup para fazer o time da China (deveria ser Japão, ela confundiu as bandeiras).

Salada de campo de futebol

Ficou bem gostoso e divertido.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Por que irmãs brigam? II

Eu tenho irmãs, impliquei muito, briguei muito. Vejo que os filhos das minhas amigas também se implicam e brigam. Leio nos livros que brigas entre irmãos é normal. Mas não adianta, não consigo lidar bem com essa situação. Quando vejo as minhas duas filhas, os meus maiores amores, se ofendendo, disputando, brigando, fico mal. Me irrito, fico triste, fico chateada. E justamente por achar que não sei conduzir bem a situação recorro frequentemente aos livros.

Nessa semana, após mais uma disputa entre as irmãs, recorri mais uma vez ao Içami Tiba, no célebre "Quem Ama, Educa!" descrevo aqui

6. ENTRE IRMÃOS

- "Nunca comparem um filho com o outro ou com qualquer pessoa. Cada um tem o privilégio de possuir identidade própria."
Ok, cumpro esse quesito.

- "Brigas são maneiras de buscar poder, autonomia, importância, individualidade. Os pais devem tratar cada filho de maneira diferente. Podem, ao mesmo tempo, premiar o que merece e não dar nada para o que não merece. Uniformizar castigos e prêmio tira o valor deles."
OK, cumpro esse quesito.


- "Brigas físicas não podem ser toleradas. Os pais devem interferir fisicamente na separação dos briguentos com um sonoro, firme e claro "parem com isso"."
OK, cumpro esse quesito. Às vezes, até sonoro demais.

- "Tentar descobrir o responsável pelas brigas para castigá-lo geralmente é impossível, pois todos têm argumentos bastante razoáveis de que são vítimas, e não algozes. A culpa é sempre do outro."
OK, cumpro esse quesito. Sempre digo que não interessa quem começou. Eu ficaria feliz em saber quem terminou.

- "Se um dos filhos estiver machucado ou com olho roxo, o que machucou deve assumir as consequências: fazer curativos ou compressas de água fria ou quente no outro. Castigos não resolvem brigas entre irmãos, mas assumir as consequências e compensar os danos pode educar bastante."
Aqui nunca chegaram a se ferirem, graças a Deus. Mas eu coloco de castigo sim. Vou tentar buscar que assumam as consequências.

A questão é que depois que eu me descabelo, dou um castigo para as duas, elas se unem e em cinco minutos estão assim:


 Dá para acreditar que poucos minutos atrás estavam se cutucando, beliscando, xingando, gritando paaaaraaaaaa e me enlouquecendo?

Aqui o post Por que irmãs brigam? I  Espero não chegar ao 9.999.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Todos contra o Bullying - texto da Ana Luiza (12 anos)

A escola das minhas filhas trabalha intensamente com as crianças a questão do bullying. São palestras, filmes, livros, debates, textos e etc...

Nessa semana, na aula de produção de texto, após a leitura de alguns textos, a exibição de entrevistas, vídeos e discussões sobre o tema bullying, as crianças produziram um texto de opinião.

Assim que chegou em casa a Ana Luiza me mostrou o trabalho feito em aula e eu pedi para postar no blog. Claro que a princípio ela se recusou. E hoje ela liberou a postagem, o que eu fiquei muito feliz.
Então aqui vai o texto da Ana Luiza.

Todos contra o bullying

Hoje em dia muitas pessoas acham que todo ato de bater, chutar, xingar é bullying, mas nem sempre é. São atos de violência, mas nem toda violência é bullying. 
Então o que seria mesmo bullying? É quando alguém chuta, bate, ofende, xinga, humilha repetitivamente e com a intenção de ferir fisicamente ou psicologicamente outra pessoa. Todo bullying é uma violência.
Na minha opinião, bullying é crime e costuma acontecer com as pessoas mais tímidas e reservadas. Eu acho que é um crime, pois a pessoa que sofre é machucada, fica sem amigos, não tem vontade de ir para a escola e, às vezes, pensa em se matar ou acaba se matando. Acho também que a maioria dos espectadores colaboram com a existência do bullying, pois, na maioria das vezes, tem medo de falar e, depois, acabar sofrendo também.
O bullying tem solução, os espectadores devem falar para a coordenação da escola ou para os pais de quem sofre. A pessoa que sofre também deve comentar e não esconder dos pais ou do colégio.
O bullying tem solução, todos contra o bullying.

Não preciso nem dizer que fiquei toda orgulhosa da minha menina. Feliz com ela, feliz por ela, feliz pela escolha da escola delas.

Amanhecer - Parte I

A Ana Luiza estava louca para ver a primeira parte do quarto filme da Saga Crepúsculo, Amanhecer. Lemos todos os livros e vimos todos os filmes. Esse não poderia ficar de fora.
Apesar de toda a ansiedade, da enorme vontade de assistir o filme logo na estreia, a Ana Luiza quis esperar o término da semana de provas (muito responsável a minha adolescente, sou babona). Então fechamos a semana de provas com chave de ouro. Depois da última prova, de matemática, fomos comemorar no cinema.


No primeiro livro, Crepúsculo, a Ana Luiza me perguntou se eu fosse a Bela com quem eu ficaria. Adivinhem a resposta?

A expectativa para o filme era grande. As amigas da Ana Luiza que já tinham visto amaram o filme, choraram na cena do casamento e muito mais.

Eu achei o filme chato, as cenas prolongadas demais, a Bela sempre com aquela cara blasé, sempre tensa e sofrida. O único momento em que ela demonstra alguma alegria e leveza é quando encontra o Jacob. (Também né, cá entre nós, não é para menos. Mas abafa o caso.) Outro momento muito esperado por mim era a passagem pelo Rio, que foi rápida e achei que poderia mostrar melhor a cidade. As cenas em Angra exploram bem o paraíso que é aquela região.

A Ana Luiza A-DO-ROU o filme. Atendeu plenamente as expectativas delas. Aliás, acho que até superou.

E se em 2009 a Ana Luiza, se fosse a Bela, escolheria o Edward, agora ela ficaria com o Jacob. Olha a foto que está como plano de fundo do i-Touch da criança adolescente.


E onde foram parar as fotos da mamãe, do papai, da irmã e da Xina?  Foram substituídas.

domingo, 27 de novembro de 2011

Garotos

A Ana Luiza, assim como quase todas as adolescentes do Rio, queria ver a peça Garotos. Aproveitamos a campanha Teatro para Todos que traz 71 espetáculos a preços ótimos e lá fomos nós (eu, a Ana Luiza e a madrinha).

Imagem obtida no site www.garotos.net

A peça conta a história de cinco amigos que estão passando pela adolescência com todas as turbulências próprias dessa fase. Durante o espetáculo os garotos abordam assuntos mais frequentes desse período como palavrão, virgindade, masturbação, drogas, bebidas, sexualidade, a primeira vez, namoro, ficadas, paixões, família, morte, traição, gravidez, futuro, teatro, futebol, música e internet.
Confesso que eu estava apreensiva com o texto, com receio de ser pesado para a Ana Luiza e coisa e tal. Me surpreendi. Na minha visão de mãe, o que mais me chamou a atenção foi a responsabilidade em que os assuntos polêmicos e "pesados" foram tratados. Foi usada a linguagem adolescente com todos os seus palavrões e gírias sim, porém sempre com uma conclusão responsável para o tema. Quando aborda o palavrão, por exemplo, os meninos falam todos e mais alguns e de repente um sai da roda e se mostra incomodado por estar falando tanto palavrão, diz que amadureceu e vai parar com essa besteira. Quando o assunto abordado é o uso de drogas tem o momento que o garoto diz que foi um otário em experimentar por pura influência dos amigos e que não tem nada a ver ficar com cara de bundão.
Os garotos, na maioria atores de malhação, deixam as meninas enlouquecidas e de queixo caído com as performances no violão e percussão, com as coreografias, e cantoria.
A trilha sonora também é bem no ritmo que os pais gostam, pelo menos eu gostei dos hits como Sempre Assim, do Jota Quest; Todas as Noites, do Capital Inicial e Vou Deixar, do Skank; Toda Forma de Amor, de Lulu Santos; Vinte e Poucos Anos, de Fábio Jr.; Carta ao Tom, de Vinicius de Moraes e claro, Garotos do Kid Abelha.


sábado, 26 de novembro de 2011

Blogagem Coletiva: Esmalte + Lembranças (de infância)

Hoje o tema da Blogagem Coletiva de Esmaltes da Fernanda Reali é especial, lembranças. Para mim não tem lembrança melhor do que as lembranças da infância. Por isso escolhi a coleção A-DO-LE-TA da Avon que traz os seguintes esmaltes:


O branquinho meio gelo, Bolinha de Sabão. O azul claro, Banho de Chuva. O Lilás, Jujuba. O vermelho, pirulito. O laranja, Castelo de Areia e O Amarelo, Amarelinha. Com esses nomes tão sugestivos, resolvemos cair na brincadeira e usar todos.


Começamos a semana com o esmalte Amarelinha. Fizemos uma amarelinha de fita crepe no chão da sala, brincamos muito, recordei nossos momentos de Amarelinha.


Confesso que não sou muito fã do esmalte amarelo, mas, por um dia, valeu pela diversão e pelas lembranças. Foi muito gostoso buscar na lembrança e nas fotos as minhas meninas pulando amarelinha na creche. A Ana Luiza e a Sofia sempre pulavam amarelinha na entrada e na saída da creche.

Ana Luiza com 5 anos

Sofia com 4 anos

Relembramos das amarelinhas de bambolê, das amarelinhas nas areias de Geribá e muitas outras.

No segundo dia fomos de Bolinha de Sabão. Brincamos na varanda fazendo muuuuitas bolinhas de sabão.


Fiquei na dúvida se esse esmalte é branco ou gelo. Só tenho certeza que nos divertimos muito nessa brincadeira e relembramos as festinhas de aniversário, sempre com bolinhas de sabão nos saquinhos surpresa. De algumas viagens, as recreações sempre apresentam alguma brincadeira com bolinha de sabão.


No terceiro dia foi a vez do Banho de Chuva. Contei dos banhos de chuva que eu tomava quando era pequena lá em São Pedro d'Aldeia. Relembrei quando a Ana Luiza, com 2 anos, tomou banho de chuva com o avô, também em São Pedro. 
Como não teve chuva por aqui pra gente cair na farra, a Sofia teve a ideia de tirar as fotos no banho de chuveiro mesmo.


Esse esmalte azul funcionou muito bem para reavivar as nossas lembranças. Foi uma delícia relembrar do nosso passeio de bicicleta na chuva.


Já no quarto dia usamos o esmalte Jujuba. Um lilás lindo que deu água na boca. Aproveitamos para cair na gula e comer besteira fora de hora.


O lilás do Jujuba foi o que mais fez sucesso aqui em casa. Com ele relembramos de mais momentos especiais: as nossas brincadeiras de cupcakes (muitos são decorados com jujubas), os lanches no play, as festinhas de aniversário com suas mesas de guloseimas que deixam as mamães de cabelo em pé, mas fazem a alegria da criançada.

Lanche no play com guloseimas decoradas com jujubas
Mesa de guloseimas na festinha de aniversário de 3 anos da Ana Luiza

No quinto dia só eu que esmaltei com o Pirulito. A Ana Luiza e Sofia gostaram tanto do esmalte Jujuba que não quiseram mais trocar. Cansaram dessa brincadeira de troca-troca de esmalte. Mas não cansaram da guloseima e caíram no pirulito.


A farra do pirulito
A Ana Luiza segura o pirulito com as unhas pintadas de jujuba.

Com o esmalte vermelho, mais uma vez, relembramos as festas e as recreações. Mas a melhor lembrança foi aquele momento de abrir os presentes de aniversário. Sabe aquelas embalagens que sempre são enfeitadas com um pirulito? 


Para finalizar a semana de esmaltes e lembranças usei o Castelo de Areia. Contei para a Ana Luiza e a Sofia dos castelos de areia que eu fazia em São Pedro d'Aldeia e sempre enfeitava com muitas conchinhas. Falei de como aquela lagoa era transparente e cheia de peixinhos.


Com esse tom alaranjado com um toque de gloss relembramos as nossas viagens para Cabo Frio, Búzios, Angra e alguns destinos no Nordeste. Relembramos dos castelos de areia que fizemos e de muitas outras brincadeiras como se enterrar e rolar na areia (fazer croquete).


Foi uma semana muito alegre, repleta de brincadeiras, guloseimas, lembranças e muitos álbuns de fotografia.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Biruta? Como?

A Sofia teve um trabalho da escola sobre vento e tínhamos que fazer uma biruta. Mas como fazer uma biruta? Mas para facilitar, as intruções e o PAP estavam no livro. Ufa! Ficou bem mais fácil. Nem precisei ficar biruta para fazer uma biruta.

Foi uma atividade escolar que virou brincadeira para toda a família. Eu adoro quando tem esse tipo de trabalhinho para casa. É um momento em que todos participam da vida escolar, trabalham juntos, se ajudam e se divertem.

O que utilizamos:

- 1 rolo de papel higiênico;
- 3 folhas de papel crepom;
- tesoura;
- cola;
- barbante.

Como fizemos:

Cobrimos o rolo de papel higiênico com o papel crepom. Fizemos oito furos de um lado e quatro furos do outro lado com a ajuda de uma tesoura. Cortamos oito tiras de papel crepom de dois dedos de largura e 1 metro de comprimento.


Com a ajuda de um palito colocamos as oito tiras nos oito furos e demos um nó por dentro. Amarramos 4 pedaços de barbante nos quatro furos do outro lado, demos um nó juntando as 4 pontas e amarramos com um único fio. Estava pronta a nossa biruta. Era só ver o efeito do vento.


Como não estava rolando nem uma brisa, a biruta ficou lá... paradona. O jeito foi apelar para o ventilador e assim pudemos ver a nossa biruta se manifestar, dançar, balançar e sacudir ao sabor do vento.


Ainda para ver o efeito do vento a Sofia correu para todo lado com a biruta na mão. Outra diversão foi amarrar a biruta na bicicleta. Agora temos, na nossa varanda, uma biruta que nos avisa como está o vento.

Como não gosta de couve-flor? E de Flan de Danoninho?

A nutricionista e a pediatra afirmam que quando a criança diz que não gosta de certo alimento, não devemos aceitar de primeira. Antes de aceitarmos a rejeição precisamos oferecer o tal alimento de 10 maneiras diferentes. Isso mesmo, 10 maneiras diferentes. Haja criatividade!

Estou na tentativa da couve-flor. E nessa semana fizemos o 8º experimento: couve-flor recheada: (uma receita que vi no Cantinho da Jana)

Cozinhamos uma couve-flor inteira por 5 minutos. Ela precisa ficar ao ponto, nem molenga, nem dura.
Esperamos esfriar e começamos a rechear, pela parte do talo, com queijo prato e presunto. Depois de bem recheada, viramos e fizemos o mesmo processo pelas flores.


Após a couve-flor estar exageradamente recheada, cobrimos com molho branco, polvilhamos queijo ralado e levamos ao forno para gratinar e para o recheio derreter.


Ficou uma delícia (para todos os adultos da casa), simples de fazer, as meninas se divertiram recheando a couve-flor, mas não gostaram. Nem acreditei!
A 9ª tentativa vai ser um suflê de couve-flor. Se não der certo, aí vou apelar: couve-flor com leite condensado, não tem como não gostarem! (brincadeirinha).
Fiquei aqui pensando... se eu fizer a lista de tudo o que é saudável e as minhas filhas não gostam de comer e multiplicar por 10, vou passar o resto da vida fazendo receitas diferentes, diariamente. Pensando bem, já estou achando uma boa considerar a opção do leite condensado.

Para a sobremesa fizemos um Flan de Danoninho. Na verdade a receita original é de mousse com sabor de danoninho. Mas eu queria experimentar umas formas novas que ganhei de uma amiga, então acrescentei gelatina na receita para dar a consistência de flan.

O que usamos:

- 1 lata de leite condensado;
- 1 lata de creme de leite;
- 1 copo de iogurte natural;
- 1 pacote de suco de morango Clight;
- 1 pacote de gelatina incolor.

Como fizemos:

Dissolvemos a gelatina conforme as instruções da embalagem, batemos tudo no liquidificador, colocamos na forma e levamos à geladeira até ficar consistente.


Desenformar foi a grande novidade. Parecia mágica! Como pode? Só tirar o fundo da forma e o flan vai caindo no prato.  Foi uma grande descoberta para a Sofia. E eu rindo da carinha dela de surpresa.


Depois de desvendado o mistério, a Sofia quis decorar o flan.


Ficou bom demais. O gostinho é de danoninho.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Doidas e Santas


Nesse final de semana, no nosso programa de casal, dessa vez sem convidada especial, aproveitamos a campanha Teatro para Todos e fomos assistir a peça Doidas e Santas por um precinho bem especial. 
Foi diversão garantida.
O espetáculo é baseado no livro de mesmo nome, Doidas e Santas, da Martha Medeiros, que conta a história de uma psicanalista em plena crise dos 50 anos que se aproximam.  
A apdaptação do texto para teatro foi feita por Regiana Antonini equilibra bem os momentos mais densos e intensos do drama vivido pela personagem com momentos comédia.

 imagem obtida na internet


Não sou crítica de teatro, aliás estou muito longe disso, sou  uma espectadora em busca de diversão com qualidade. E isso eu encontrei na apresentação de Cissa Guimarães como a Doida ou Santa Beatriz, Giuseppe Oristano como Orlando o marido convencional e Josie Antello se dividindo nos papeis de mãe, filha e irmã. Ri muito com a dolescente Marina, filha do casal, interpretada pela Josie Antelo, pois sempre que caractuurizam uma adolescente eu identifico traços da Ana Luiza. Ri muito com Elda, a mãe, também interpretada por Josie Antelo,  e sua ideia genial para o seu velório. Nessa comédia romântica, Beatriz, personagem de Cissa Guimarães, em suas divagações psicanalíticas conclui que todas as mulheres são doidas, até as santas (que ela duvida que existam) são doidas por serem santas. 
Bom, eu sou doida mesmo e assumo.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Como fica o coração de mãe ...

quando os filhos começam a criar asas?

As minhas meninas, cada uma em sua fase, estão crescendo, aprendendo se desenvolvendo. E como faz parte do crescimento, estão se soltando. E a cada vez que elas pedem mais linha na pipa eu me sinto cortando o cordão umbilical. É isso mesmo, não cortei o cordão umbilical apenas no parto não. Corto um pouquinho a cada dia, a cada nova etapa. São vários os pequenos cortes que faço enquanto as minhas filhas caminham em direção a se tornarem pessoas completas, independentes e autossuficientes. Nessa semana passada vivi mais dois momentos de dar linha na pipa e apertar o meu coração.

A Ana Luiza me pediu autorização para sair da escola com uma amiga e ir almoçar em um restaurante. Com o coração apertado, imaginando todos os perigos que existem nesse pequeno percurso, dei a tal autorização. Fiz isso por perceber que está na hora dela começar a dar esses passos sozinha. Fiz isso por confiar na responsabilidade dela. Fiz isso por acreditar que ela iria seguir as minhas orientações. Agradeci muito ser uma mãe da era do celular. Graças a ele pude acompanhar de longe a “aventura” da Ana Luiza e o coração apertado ficou feliz e orgulhoso de ver a minha pequena ficando grande. Fiquei feliz e orgulhosa imaginando a cena das duas, a Ana Luiza e a amiga, sentadas no restaurante, escolhendo o prato, pedindo para o garçom, pagando a conta. Fiquei feliz e orgulhosa, imaginando o sentimento de liberdade que a Ana Luiza estava desfrutando, tipo “se achando”, ao percorrer sozinha aqueles quarteirões. Até que, mesmo com o coração apertado, me diverti e desfrutei desse momento de liberdade da Ana Luiza.

Sofia chegando na sua primeira festa sem pai nem mãe


A Sofia teve a sua primeira “festa sem pai nem mãe”. Já passei por essa situação com a Ana Luiza e nem por isso o coração apertou menos. Nessa primeira vez que fui deixar a minha pequena sozinha em uma festa fiquei feliz por ela, por ver e sentir a felicidade dela. Mas o coração estava apertado pensando: e se ela se machucar? E se precisar de mim? E se, e se, e se... O pior, a festa era em uma casa e com piscina. Ai Jesus! E a vontade de ligar de meia em meia hora? Me controlei. E quando fui buscá-la fiquei mais uma vez feliz e orgulhosa de ver a minha caçula tão solta, alegre, correndo, integrada com os amigos, feliz da vida e segura de si na sua nova condição de menina que vai à festa “sem pai nem mãe”.
Claro que, nesses dois dias, quando elas chegaram em casa eu dei muito colo, muito beijo, muito cheiro, né? Afinal, mesmo com mais esse corte de cordão umbilical, com mais essa linha na pipa, elas são os bebês da mamãe (a Ana Luiza vai ficar danada comigo por essa declaração pagação de mico total.).

domingo, 20 de novembro de 2011

Sorteio Kit Refeição da Baby Boo - Resultado

Final do ano chegando, época de presentar os amigos queridos.
Verão chegando, época de incentivar, mais ainda, as crianças a comerem muitas frutas e sucos.
Combinando esses dois estímulos estamos com mais uma parceria com a Baby Boo Emporium. Dessa vez vamos sortear um kit refeição muito lindo.

Se o ganhador for:
-  menina o prêmio será o kit das princesas: talheres, pratinho e copo anti vazamento






- menino o prêmio será o kit buzz lightyear: talheres, pratinho, copo anti vazamento






Para participar do sorteio é simples, basta seguir as regrinhas:

- Curtir a Baby Boo no Facebook 
- Se cadastrar na Newsletter da Baby Boo
- Ter endereço de entrega no Brasil
- Deixar um comentário nesse post informando nome, e-mail, cidade e o preferência pelo kit de menino ou menina até o dia 03/12/2011 às 20:00
- Essa aqui é opcional mas me fará bem feliz. Se quiser pode seguir o blog Inventando com a Mamãe e no twitter sou a @kitaferreira


O sorteio será realizado no dia 03/12/2011 às 21:00 utilizando o random.org. O ganhador será avisado por e-mail, por isso é importante deixar essa informação no comentário.

Quem achar esse sorteio legal e quiser divulgar no seu blog, twitter, facebook sinta-se a vontade e nesse caso terá mais uma chance. É só voltar aqui e deixar o link da divulgação.




Vale muito conhecer o site da Loja Virtual Baby Boo e verificar os produtos dos diversos diversos segmentos - vestuário e acessórios do vestuário, calçados, carrinhos e acessórios para o passeio, higiene, segurança, bolsas, e muito mais. Aproveite também para visitar o Clube do Bebê Baby Boo e ver os artigos sobre maternidade. Eu sou uma das colunistas do Clube do Bebê e vou adorar receber a sua visita.



RESULTADO (em 04/12/2011)

Primeiro mil desculpas pelo atraso em divulgar o resultado. Estou de férias com as meninas e com acesso restrito ao computador.
Segundo , mais uma vez, agradeço de coração a todos que participaram e a Baby boo por mais essa oportunidade.
Considerei todos os comentários, inclusive os não válidos (isso falicita na hora de conferir se listei todos os participantes) e repliquei as divulgações. Ficou um total de 103 comentários. Se o número sorteado fosse deum comentário inválido eu repetiria oo processo, fato que não ocorreu.

Então vamos lá. Executei no random.org e o sorteado foi:





Parabéns Cássia, muito obrigada pela participação e tenho certeza de que vai gostar do kit de menina.

sábado, 19 de novembro de 2011

Blogagem Coletiva: Esmalte + Olhar - Brilho dos Olhos - BC Foto #9 (editado em 25/03/2014)

Blogagem Coletiva de Esmaltes da Fernanda Reali desse sábado traz o tema Olhar.

Para o tema Olhar trago um trecho do livro "Quem Ama, Educa!" de Içami Tiba


"Para o atendimento integral a uma criança, são cinco os passos: parar, ouvir, olhar, pensar e agir.

...
Olhar é a parte instintiva. Num piscar de olhos, uma pessoa consegue ver tantas coisas que levaria muito tempo para explicá-las em palavras. Tudo o que se percebe visualmente também tem que ser considerado para compreender a criança."



Peço diariamente para os meus instintos estarem apurados, à flor da pele, para que eu consiga observar as minhas filhas, compreendê-las e ajudá-las a olharem o mundo com um olhar positivo. Peço diariamente que o meu olhar esteja apurado para que eu possa observar os diversos pontos de vistas, aprender com eles, compreender e respeitar as diferenças.

Olhares que apuram o meu olhar.



Nessa semana usei duas camadas de Açaí da Colorama que, no meu ponto de vista da semana, ficou uva/ roxo demais. Aí resolvi colocar uma camada de Chama, também da Colorama, para dar uma fechada na cor. O resultado foi esse:





Vou incluir fotos, feitas pela Ana Luiza, dos olhares que fazem os meus olhos brilharem. Ver o brilho nos olhos delas me deixa muito feliz. Eu faço de tudo que está ao meu alcance para fazer esses olhos brilhararem.




O post foi editado hoje, 25/03/2014, para participar da BC de Fotos proposta pela Dani Moreno. Aproveitem para visitar o mosaico da Dani e ver os outros olhos que brilham.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
▲ Topo