sábado, 20 de agosto de 2022

Quando pausa é movimento

Home office. Pausa do almoço. Preciso me cuidar. 

Essa é a minha maior dificuldade nos dias de home office: para na hora do almoço. Respeitar a pausa. Me respeitar. 

Na sexta-feira chuva já estava eu invadindo o meu horário de almoço sentada frente ao computador terminando só mais aquela tarefa. Afinal, estava chovendo, frio, não tinha nada de tão interessante para fazer, eu estava com preguiça de comer, era melhor trabalhar, adiantar tarefas, me sentir produtiva. Será? 

Me lembrei que parar também é produzir. Me forcei. Me obriguei a sair de casa para não voltar para a mesa do computador. Me lembrei da livraria. Quem tem uma livraria perto de casa sempre tem algo interessante a fazer. 

Caminhei na chuva fina, no frio, embaixo do céu cinza. Abri a porta da livraria e entrei um um mundo de cores, aquecido, com cheiro de café. Fiz como faço com frequência: pego um livro aleatoriamente e subo para o segundo andar. 

O aleatório não foi tão aleatório. A seção foi escolhida. Livros de viagem. A aleatoriedade foi dentro desse espaço. 



O livro pego ao acaso na bancada da seção de viagens foi  "Cadernos de Viagem Herdados", de Nicole Corderny. Eu não conhecia o livro nem a autora. 



Pedi meu café e comecei a saborear as linhas, os goles, as garfadas. Viajei nas histórias da autora.


De repente eu estava imersa em uma viagem no tempo, transportada para as minhas histórias. 

Ah... essa viagem de trem Rio-São Paulo. Ida e Volta. O charme, a emoção. dormir com o balançar do trem sobre os trilhos, o jantar no vagão-restaurante. Ah... o Trem de Prata deixou saudades. E que bom que eu pude ter essa experiência. 


Fechei o livro nessa página. Voltei ao presente. Retornei ao home office renovada, relaxada, com sorriso no rosto e leveza na alma. Isso tudo para lembrar que fazer uma pausa também é estar em movimento. É ganhar fôlego para retomar o ritmo.


Também estão participando do BEDA 2022:



Você pode me encontrar também

quinta-feira, 18 de agosto de 2022

Filme Luta pela Liberdade (Cliff Walkers)

Estreia hoje exclusivamente nos cinemas o filme chinês "Luta pela Liberdade", do cineasta Zhang Yimou (Herói, O Clã das Adagas Voadoras e A Maldição da Flor Dourada). O suspense, representante da China para o Oscar na categoria de melhor filme de língua estrangeira e indicado ao prêmio Golden Reel Awards 2022 na categotia de melhor edição de som em filme estrangeiro tem distribuição da A2 Filmes.



Eu fiquei um tempo afastada do blog e também das cabines de imprensa. Mas estou retornando. E posso dizer que voltei às cabines com o pé direito. 

Suspense, espionagem e afins não são bem o meu estilo preferido de filme, mas Zhanf Yimou tem um currículo respeitável (ele dirigiu "Lanternas Vermelhas" que eu amei!), então eu fiquei muito curiosa com "Luta pela Liberdade". Então mesmo sendo dez horas da noite eu resolvi abrir o link da cabine com a intenção de assistir uma parte do longa antes de dormir e deixar a outra para o dia seguinte.

Que dia seguinte, que nada. "Luta pela Liberdade" é eletrizante! Colei na cadeira, vidrei os olhos na tela, prendi a respiração e só fui dormir depois dos créditos finais.

O thriller de espionagem está ambientado em um período histórico chinês bem doloroso, a época da invasão e ocupação japonesa de Manchikuo e do norte da China, no início da década de 1930.

Em "Luta pela Liberdade" quatro espiões que são dois casais são obrigados a se separarem em duas duplas que separam os casais. Uma surpresa para eles que torna a missão que devem cumprir mais difícil. Eles devem executar a "Operação Utrennya" (no final ficamos sabendo o significado da palavra) que tem como objetivo resgatar um chinês, único sobrevivente que conseguiu escapar dos campos de tortura japoneses. A meta final é retirar o sobrevivente do país e revelar ao mundo as atrocidades cometidas pelos japoneses. 

O enredo se desenrola envolvendo cenas de violência bem fortes em contraste com cenários belíssimo em paisagens nevadas que são um verdadeiro deleite visual. 

Tem espionagem, agente duplo, agente triplo, tem traição, tem aquela dúvida de em quem devemos confiar, tem frieza aparente, emoção contida, reviravoltas surpreendentes. Ou seja, tem todos os ingredientes que envolvem o espectador e foi isso que o filme fez comigo. 

Sinopse: Situado no estado de Manchukuo, um lugar controlado pelo governo, na década de 1930, a trama segue quatro agentes especiais do Partido Comunista que retornam à China dominada pelo Japão depois de receber treinamento na União Soviética. Juntos, eles embarcam em uma missão secreta com o codinome "Utrennya". Depois de serem vendidos por um traidor, a equipe se vê cercada por ameaças de todos os lados desde o momento em que saltam de paraquedas na missão. Os agentes vão quebrar o impasse e completar sua missão? Nos terrenos nevados de Manchukuo, a equipe será testada até o limite. 

Detalhes simples do dia a dia podem ser também gigantes!

Também estão participando do BEDA 2022:



Você pode me encontrar também

segunda-feira, 15 de agosto de 2022

A Semana 33 de 2022 - Praticando a Felicidade

 

Agora olhando pra trás, escolhendo as fotos da semana e pensando em um título para o post eu consigo ver que essa semana que passou rápido, voando, a princípio despercebida, foi uma semana com muitos momentos de práticas de felicidade.

Caminhei pelo bairro de Santa Teresa que estava com a 30ª edição do Artes de Portas Abertas onde artistas locais exibem suas obras, abrem seus ateliês e expõem suas artes nas ruas. Foi a primeira vez que eu fui ao evento. Comecei o meu caminho pelo Parque das Ruínas.

Foi bem relaxante caminhar com calma, observar as artes, conversar aleatoriamente com pessoas ao redor. Vou fazer um post sobre. 



Fui tomar um café da manhã com uma amiga. É sempre bom começar um dia com comida gostosa, companhia e conversa boa. 


Aproveitei o café com a amiga, que é ceramista e astróloga, para pegar as cumbucas de signos que ela fez com os signos da família. Como a noite esfriou, inauguramos nossos bowls com sopa quentinha para aquecer o corpo e com aconchego. 


Saí para trabalhar em um dia chuvoso, frio, pós tempestade e consegui driblar as expectativas e enxergar beleza. Contei no post "Criando felicidade diante do ordinário"


Fui almoçar com uma amiga no Lilia, um restaurante gourmet, bem diferenciado. Nos sentimos merecedoras. Entre risadas, conversas sobre viagens e amenidades, falamos sobre a prática da felicidade. Estávamos nós ali praticando a felicidade. 


Busquei a tranquilidade para as noites assistindo a 4ª temporada da série "Virgin River".


Em um dia de home office, quebrei a rotina aceitando um convite inesperado, mesmo em cima da hora, para almoçar com outra amiga. Sentamos em um boteco na calçada bem no clima final de semana e depois tomamos um café com choux em uma cafeteria charmosa e aconchegante, a Le Wilt. Compartilhamos as novidades, as alegrias, as angústias, as dicas, enfim, a vida. Compartilhar é uma ótima prática de felicidade. 


Detalhes simples do dia a dia podem ser também gigantes!

Também estão participando do BEDA 2022:



Você pode me encontrar também

sábado, 13 de agosto de 2022

Criando felicidade diante do ordinário


Saí para trabalhar em um dia nublado, chuvoso, seguinte a uma noite de ventos fortes que deixaram estragos em vários pontos. Daqueles dias que dá vontade de ficar em casa. Mas eu precisava ir.

E já que sairia, mesmo em um dia aparentemente feio, sem promessas de belezas, mas com risco de estragos, eu procuro ver belezas. Procuro enxergar cores, detalhes, sutilezas, 

Passei pela Enseada de Botafogo com o cenário lindo e incansável do Pão de Açúcar e apesar de ser um local muito cotidiano e rotineiro para mim, consegui mais uma vez me encantar com a beleza dele. 



Fiz a foto e postei nos stories do Instagram com a frase: não me canso desse cenário. Ele me mostra que o cotidiano sempre tem algo novo e raro para ser percebido.

Recebi algumas curtidas e comentários, mas um particularmente me fez pensar. Uma amiga comentou: Não tão novo e nem tão raro, mas certamente, lindo.

Pensei que a fotografia é uma forma de passar uma mensagem, expressar as nossas ideias, mas sem palavras. O que me encantou nessa foto, o que me fez ver o extraordinário, não necessariamente vai ser interpretado da mesma forma. E essa é a graça da coisa. Estimular a digestão ou não da mensagem. 

Outra questão que me fez pensar é que pra mim realmente existe muita beleza no meu dia a dia, e sou muito grata por isso. Mas me perguntei se consigo ver as belezas nas cenas do meu cotidiano com facilidade ou se vejo isso porque eu crio. Não importa! 

O que importa é que tudo é processo, é experimentação. Fotografo a beleza que enxergo para registrá-la em mim. Para reforçá-la em mim. São detalhes simples, mas que podem ser gigantes. E que nesse processo vão montando uma biblioteca de momentos particulares, visão única, sensações de afeto. Afetos de todo o tipo. 

E o que eu vi de raro e novo nessa imagem? Raro foi a árvore replantada, a vida querem um impulso para pulsar. A sobrevivência mesmo após a tempestade e ventos forte. De novidade: foi a composição do momento:  árvore crescendo, desse ângulo novo para mim, estar alinhada com a parte mais baixa dos morros e o contraste das cores. O chão molhado pela chuva ressaltou o vermelho da ciclovia e coloriu o cinza do dia. 

Que o exercício diário de buscar criar belezas torne detalhes simples em breves suspiros de alegria que acumulados nos deixem experimentar felicidade diante do ordinário.

Também estão participando do BEDA 2022:



Você pode me encontrar também


quinta-feira, 11 de agosto de 2022

Flanando pelo Bairro de San Telmo em Buenos Aires

 


Quando viajo ou mesmo quando passeio pela minha cidade eu gosto de flanar pelas ruas dos bairros.

Foi para isso que eu retornei ao bairro de San Telmo no amanhecer do dia. 

O que fazer no Bairro de San Telmo em Buenos Aires

Para caminhar pelas ruas de paralelepípedo do menor e mais antigo bairro de Buenos Aires. 

O que fazer no Bairro de San Telmo em Buenos Aires

Cheguei bem cedo. Pude sentir o contraste de movimento daquele instante presente dos que insistem em não encerrar o ontem e dos que anseiam em iniciar o amanhã.

O que fazer no Bairro de San Telmo em Buenos Aires

Pude sentir a tranquilidade do amanhecer e os ares de interior. Vi a senhora levando o cachorro para passear na rua ainda vazia, os boêmios ainda sentados na calçada tomando mais uma na porta do bar já fechado e o movimento dos que preparam as lojas e mercados para serem abertos. 

Observei com calma a arquitetura e tive a sensação de estar em outra época. Época das calçadas estreitas, ruas de paralelepípedos, luminárias charmosas que dão um toque especial, pouquíssimos prédios com os sobrados dominando. É só olhar para os lados que encontramos histórias como, por exemplo, do Viej Almacém, famoso reduto do tango.

O prédio do final do século XVII funcionou como armazém de campanha em seus primeiros anos. Foi hostpital, foi abrigo de combatentes na guerra com o Paraguai, lar de idosos vindo com febre amarela, bordel, cortiço, loja, ponto de encontro de artistas, até em ser transformado em Templo do Tango em 1969.


O que fazer no Bairro de San Telmo em Buenos Aires

O El Viejo Almacém foi fundado pelo cantor e compositor de tango, Edmindo Rivero, que é homenageado em forma de estátua na esquina em frente ao Almacém.

A casa de tango teve seu nome inspirado na letra do tango "Sentimento Gaucho" que diz 
"En un viejo almacén del Paseo Colón
Donde van los que tienen perdida la fe"

A casa de tango instalada em um velho armazém que tem a Avenida Paseo Colón à sua frente.

O que fazer no Bairro de San Telmo em Buenos Aires

San Telmo apesar de nos dar a sensação de voltarmos no tempo, nos proporciona também um clima de modernidade com toque descolado.

O que fazer no Bairro de San Telmo em Buenos Aires


Também por ser um ponto de boemia. É lá que estão as casas de show de Tango. Eu fui com a minha mãe no La Ventana a noite. Aproveitei para caminhar por ali e ver o cenário durante o dia. 

O que fazer no Bairro de San Telmo em Buenos Aires

A região tem vários cafés moderninhos, bares,  restaurantes e lojinhas que eu vi enquanto fazia o percurso do do "Paseo de la Historieta", que eu já contei aqui no blog.

O que fazer no Bairro de San Telmo em Buenos Aires

Entre as lojinhas é claro que tem lojas da especialidade da casa: o famoso doce de leite argentino que é maravilhoso! Vale a pena entrar e se deliciar.

O que fazer no Bairro de San Telmo em Buenos Aires

Outro ponto imperdível é o Mercado de San Telmo. Um das joias do bairro. Bom, eu sou suspeita. Adoro um mercado. Acho que é um ótimo local para conhecermos mais a cultura do local.

O mercado que já foi apenas de frutas, legumes, verduras, carnes, etc. Do tipo vai lá, faz suas compras e leva para casa, hoje se converteu em um ótimo lugar para comer. Lá estão vários restaurantes para todos os gostos. 

O interior do mercado se mantém com a arquitetura original da época da sua inauguração em 1897, com vigas, colunas, arcos de metal e teto de vidro.

O que fazer no Bairro de San Telmo em Buenos Aires

Outra ótimo oportunidade para desfrutar de San Telmo é aos domingos quando acontece a famosa feira de antiguidades que acontece aos domingos. Mas essa eu perdi porque voltei de Buenos Aires no sábado a noite.


Esse post faz parte do projeto #100EM1 de 2022 que consiste em visitar 100 lugares no período de 1 ano e vi no blog Parafraseando com Vanessa. Achei, no início do ano, que o projeto seria uma ótima oportunidade para nos estimular a sair da rotina, buscar o novo, trazer aprendizados e reflexões. Porém o projeto foi completamente prejudicado pelo período que estamos vivendo.

Também estão participando do BEDA 2022:



Você pode me encontrar também


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pin It button on image hover
▲ Topo