quarta-feira, 16 de junho de 2021

Exposição "Nise da Silveira - a revolução pelo afeto", no CCBB

Nise da Silveira é uma médica psiquiátrica brasileira, revolucionária, conhecida mundialmente por inovar o tratamento de pessoas com sofrimentos psíquicos. Ela defenda e usava o afeto como metodologia científica no tratamento de seus pacientes. 

Nise da Silveira não aceitava as formas de tratamentos psiquiátricos em uso na época, como o eletrochoque, a lobotomia, o coma insulínico. Assim em 1946, ela criou a Seção de Terapêutica Ocupacional, Centro Psiquiátrico Nacional, do Rio de Janeiro. Neste centro ela aplicava a sua técnica que fazia uso de ferramentas artísticas e aplicações científicas para buscar formas de acessar as camadas da mente e criar um diálogo entre o inconsciente. 



Dentre as diferentes atividades, a pintura e a modelagem se destacaram como um meio de acesso ao mundo interno dos pacientes. A produção desses ateliês foi tão abundante que em 1952 nasceu o Museu de Imagens do Inconsciente. 


Eu sempre tive muita vontade de conhecer o Museu de Imagens do Inconsciente. O que impossibilitou a minha visita, até então, é o fato de o horário de funcionamento do museu ser nos dias de semana exatamente no horário do meu expediente. Ou seja, nossos horários de disponibilidade não são compatíveis.  Mas a visita ao museu para ver de perto o acervo de mais de 350 mil obras está na minha lista de desejos. 


Assim que eu soube que entre 9 de junho e 16 de agosto, três salas do Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro estrão ocupadas pela exposição "Nise da Silveira - a revolução pelo afeto", não me contive! Agendei um dia e horário que entendo ser o mais vazio e parti para ver um pequeno, mas muito interessante, recorte Museu de Imagens do Inconsciente.




A exposição que homenageia a cientista Nise traz mais de 90 obras de clientes do Museu de Imagens do Inconsciente, trabalhos produzidos pelos seus clientes nos estúdios de modelagem e pintura. Além dessas peças, também fazem parte da exposição peças de Lygia Clark e Zé Carlos Garcia, fotografias de Alice Brill, Rogério Reis e Rafael Bqueer, vídeos de Leon Hirzsman e Tiago Sant’Ana e aquarelas e fotos de Carlos Vergara. 


A mostra também apresenta a trajetória de Nise, sua luta, conquistas e pensamentos. Conforme percorremos as três salas vamos conhecendo melhor a história de Nise, suas relações familiares e influências. 


Agora, nesse ano de  2021, faz 22 anos da morte de Nise da Silveira. Bem sugestivo já que 22 é o número que representa a loucura no imaginário popular. Nise diz que aprendeu muito com os loucos. 


Caminhando pela exposição conhecemos mais das histórias dos pacientes como, por exemplo  Emygdio de Barros (que pintou em em torno de 3.300 que fazem parte do acervo do Museu do Inconsciente).

Emygdio foi um paciente esquizofrênico que Nise levou para sei ateliê. A princípio, a médica não tinha autorização para levá-lo, mas notou no olhar que ele tinha vontade de ir com ela. Ao solicitar a autorização para o até então psiquiatra de Emygdio, Nise ouviu como resposta: "Se quiser autorização, eu dou, mas não adianta nada porque ele já está há mais de 23 internado, em estado de decadência psicológica muito profunda e não vai fazer nada que preste.". 

Emydgio não só produziu 3.300 peças (algumas expostas abaixo), como é considerado um dos raros gênios da pintura brasileira. 





Segundo Nise defendia "o que melhora o atendimento é o contato afetivo de uma pessoa com a outra. O que cura é a alegria, o que cura é a falta de preconceito". 




Valeu muito a pena conhecer mais da luta dessa mulher que entrou na faculdade de medicina aos 15 anos, sendo a única mulher em uma turma de 157 homens, sendo uma das primeiras mulheres a se formar médica no país. Foi presa na época da ditadura militar e a partir daí ficou, como ela mesma dizia, com mania de liberdade. 

No ateliê, seu centro de tratamento, as portas e janelas eram mantidas sempre abertas, sem delimitações de território e de talento.


Caminhando pela exposição experimentamos o que já foi mais do que comprovado: o resultado dos métodos de tratamentos defendidos por Nise é inacreditável: além dos indivíduos melhorarem em seu comportamento, pintam verdadeiras obras de arte. É inquestionável! Ou, pelo menos, deveria ser. 


Esse é o 13º post do projeto #100EM1 de 2021 que consiste em visitar 100 lugares no período de 1 ano e vi no blog Parafraseando com Vanessa. Achei, no início do ano, que o projeto seria uma ótima oportunidade para nos estimular a sair da rotina, buscar o novo, trazer aprendizados e reflexões. Porém o projeto foi completamente prejudicado pelo período que estamos vivendo.


Você pode me encontrar também
A Autora:
Chris Ferreira

Chris Ferreira

Eu, uma mãe integral mesmo trabalhando em horário comercial, que procura equilibrar os diferentes papéis da mulher com prioridades e alegria.

Acredito que podemos levar a vida a sério, mas de forma divertida e é isto que eu tento mostrar no blog.

Google +

9 comentários:

  1. Maravilhosa e interessante a sua publicação. Texto e imagens fascinantes! Obrigada pela partilha!:)
    *
    Pensamento que enaltece ...
    -
    Beijos e um excelente dia! :)

    ResponderExcluir
  2. que maravilha, quero muito ver essa exposição se um dia voltar ou vier pra sp. desde q tenha acabado a pandemia o q não parece q vai acontecer nunca. eu vi o filme da nise. ela é fantástica mesmo. eu sou da luta antimanicomial antes mesmo de conhecer o trabalho dela. beijos, pedrita
    a postagem do filme https://mataharie007.blogspot.com/2016/04/nise-o-coracao-da-loucura.html

    ResponderExcluir
  3. Incrível o trabalho dela. Precisamos, urgentemente, despatologizar os distúrbios psíquicos.

    Boa semana!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

    ResponderExcluir
  4. Obrigado por dar a conhecer à artista e a obra... Bj

    ResponderExcluir
  5. Crhis como você está?
    Eu estou simplesmente maravilhada com essa exposição. Achei ótima e me deu um quentinho no coração ao ver as imagens, bateu uma saudade enorme de ver as exposições no local.
    Beijos.



    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Tenho a certeza que gostaria de visitar essa exposição.
    Beijinhos
    Coisas de Feltro

    ResponderExcluir
  7. Adoro a história da Doutora Nise, e o que ela representa para o sistema de saúde e para a sociedade como um todo. Não tenho a oportunidade de visitar a exposição e lhe agradeço por nos mostrar um pouco.
    Muita Luz e Paz!
    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Maravilhosa, esta exposição, sobre o poder curativo da arte! Grata por esta partilha tão especial! Beijinhos!
    Ana

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pin It button on image hover
▲ Topo