sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Centro Cultural da Justiça Federal - Turistando no Centro Rio de Janeiro




O Centro Rio é cheio de atrações culturais e ali na região da Cinelândia podemos encontrar uma boa concentração deles, como o Museu de Bellas Artes, o maravilhoso Theatro Municipal e a Biblioteca Nacional.

Ali também está um edifício que, apesar da arquitetura belíssima, muitos passam apressados e desinteressados pela frente. Uma pena! Não sabem o que estão perdendo. 

O que fazer no Centro do Rio


O Centro Cultural Justiça Federal, que foi sede do Supremo Tribunal Federal de 1909 a 1960 tem como uma de suas atrações a própria arquitetura eclética. Projetado pelo arquiteto sevilhano Adolfo Morales de los Rios traz elementos de diversos estilos.

Já na entrada nos impressionamos com as portas monumentais, enormes em madeira pesada e toda trabalhado. Elas foram talhadas pelo português Manoel Ferreira Tunes.

A escadaria de ferro e mármore de Carrara e ferro, com o vitral principal pintado por Rodolfo Amoedo ao fundo, é de babar! Foto clássica do local.

Passeios no Centro do Rio

E tem mais escada para o terceiro andar.

Centros Culturais no Rio de Janeiro


O salão que abrigava a Sala de Sessões do Supremo Tribunal Federal está lá com o mobiliário original confeccionado em 1920. a

Centros Culturais no Centro do Rio de Janeiro

Também estão lá, do chão até o teto, todos os elementos decorativos originais, como vitrais e pinturas murais.

O que fazer no Rio de Janeiro


Além de muita história, e arquitetura linda, tem também uma programação bem interessante no espaço que contempla 12 salas de exposição, teatro, biblioteca, sala de sessões e sala de leitura e o cinema. 

Fazem parte do cardápio cultural exposições que normalmente têm como enfoque a arte nacional, sobretudo a fotografia, shows e peças. Programas para todas as faixas etárias (infantil inclusive).



O edifício tem uma belíssima arquitetura, assinada pelo arquiteto . Vale a pena uma visita para aqueles que gostam de apreciar a arquitetura histórica de um país.

Serviço:

Avenida Rio Branco, 241 - Centro
Terça a domingo, das 12h às 19h.
Gratuito





Você pode me encontrar também

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Aruba - Praias no caminho para Baby Beach


Um dos passeios mais clássicos, mais conhecidos, mais concorridos de Aruba é a Baby Beach. 

O que fazer em Aruba com criança e adolescentes

Não é a toa! A praia é tipo paraíso. Localizada na ponta sul da ilha, fica longe das praias mais badaladas. Longe, mas nem tanto. A cerca de 45 minutos de carro da principal área turística de Palm Beach, Baby Beach. Isso se formos direto. Mas vale a pena fazer algumas paradas antes em outras praias lindíssimas que temos no percurso.


Nós saímos do nosso hotel em Palm Beach e a primeira parada foi em Eagle Beach, bem ao lado. É em Eagle Beach que está um dos cartões postais de Aruba, a árvore Divi-Divi.

Divi-Divi árvore símbolo de Aruba

Eagle Beach faz parte da cadeira turística de Aruba com alguns hotéis de altura baixa ficam do outro lado da rua. É bem movimentada e as barracas de palha preenchem a areia branca e macia. A água é linda.O tom de jade claro rapidamente muda para azul de águas mais profundas

No seu extremo norte, justamente onde Eagle Beach abriga as duas icônicas árvores Divi-Divi que aparecem regularmente nas imagens turísticas de Aruba, o mar fica salpicado de jet skis. Já a parte sul é mais tranquila e silenciosa.

Ninhos de tartarugas são muitas vezes marcados por ali. Nós mesmos tivemos o prazer de ver alguns.

Manchebo Beach é praticamente uma continuação de Eagle Beach, porém com um pouco mais de isolamento e menos multidões que as mais famosas praias vizinhas. Ali a areia também é branca e a água turquesa e não tem esportes náuticos. Por isso se torna bem mais sossegada do que Palme Beach e Eagle Beach.

Seguimos para a próxima parada encantadora!

Mangel Halto Beach me pareceu ser uma praia pouco turística e muito bem aproveitada pelos moradores de Aruba. Não vimos turistas por lá. A água é cristalina, rasa e com manguezais. Tem um deck para dar acesso a água. Um ótimo local para fazer uso do snorkel e a vida marinha nos corais.


O que fazer em Aruba com criança e adolescentes

Juro que me deu vontade de ficar por ali mesmo e simplesmente fazer um piquenique na areia branca à sombra de alguma das árvores do manguezal. Mangel Halto Beach possui algumas cabanas de praia para protegê-lo do sol.

Caminho para Baby Beach


Mas seguimos para Baby Beach, o nosso destino, com parada obrigatória na irmã vizinha.


Rogers Beach é a vizinha de Baby Beach e muito semelhante. Ambas têm mar muito tranquilo. Ambas têm um lado de sua paisagem "estragada" por uma refinaria que destoa do cenário paradisíaco (se bem que eu achei que isso até dá um ar mais pitoresco e incomum a essas praias). A diferença é que Rogers Beach não tem nenhum comércio, e por isso recebe muito menos gente, e por isso é mais sossegada. 

Finalmente chegamos no paraíso prometido.

Baby Beach! Linda. A água tem uma paleta de cores em tons de azuis impressionante.
 
Baby Beach em Aruba

A faixa de areia branca em forma de lua crescente se curva em torno de uma lagoa turquesa.
Melhores praias de Aruba

A praia é protegida por um recife o que torna a água calma e rasa. Uma verdadeira lagoa de água cristalina. Isso faz desta praia uma ótima opção para famílias com crianças pequenas.
Apesar de que tem uma área com correnteza, mas esta ocorre fora da proteção dos corais e é bem demarcada.

Melhores passeios em Aruba

O mar é cheio de vida! Enquanto os frequentadores praticam smorkel para apreciar os peixes, os pássaros mergulham na nossa frente para capturar os mesmos peixes que estamos observando.  

Baby Beach em Aruba

As barracas solares amarelas brilhantes colorem e não comprometem o visual Algumas tendas de palha também estão espalhadas na areia. 


Tem um bar azul no canto esquerdo que oferece algumas opções, mas não muitas. 


Baby Beach faz todo o percurso valer a pena.


Na volta paramos para comer no em Savaneta, uma pitoresca cidade de pescadores, a mais antiga de Aruba, que foi capital até 1797, para comer no ZeeRover.  

ZeeRover restaurante de frutos do mar

Restaurante na beira do mar em que escolhemos o frutos no mar no balcão, eles são pesados como se estivéssemos em uma peixaria e vão direto para a grelha. Tudo simples e muito saboroso.

Onde comer em Aruba



Tão bom que até recebemos companhia para compartilhar o nosso almoço.




Como chegar em Baby Beach

São basicamente 3 opções:

- Carro alugado.
- Táxi contratado para ida/volta.
- Passeio contratado em operadora.

Apesar da ilha ser pequena, não é tão fácil dirigir por lá por não ter muita placa informando as direções e a paisagem ser muito parecida. Passeio contratado em operadora faz o seu trajeto e o seu próprio tempo. Nós optamos por contratar passeio exclusivo. Conseguimos inclusive um motorista brasileiro que faz trabalho de turismo na ilha. Foi ótimo! Fizemos quantas paradas quisemos, ficamos o tempo que desejamos em cada uma delas e ainda recebemos várias dicas locais. 

É importante levar bastante protetor solar, algum lanchinho para as crianças e água. Se possível levar material para snorkel e sapato para andar na praia, principalmente se for ficar mais tempo em Mangel Halto. 



Você pode me encontrar também

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Receita de sobremesa de Natal - Flan de iogurte com calda de frutas vermelhas



Pensando na Ceia de Natal eu me lembrei de uma receita bem gostosa e que não faço há algum tempo. Um Flan de Iogurte com calda de frutas vermelhas que é simplesmente sensacional! Saboroso, bonito, vermelho (combina com o Natal) e muito fácil de fazer. Receita da chef Monique Souza (Flor de Pimenta) que eu aprendi em um curso de culinária


Flan de iogurte com calda de frutas vermelhas


O que utilizamos:

- 1 envelope de gelatina em pó sem sabor;
- 1 lata de leite condensado;
- 510 g de iogurte natural;
- 300 g de polpa de frutas vermelhas (utilizamos uva e framboesa);
- 100 g de açúcar;
- cerejas frescas para decorar.


Como fizemos:


Colocamos a gelatina em pó em um recipiente, acrescentamos seis colheres de sopa de água fria e levamos ao fogo em banho-maria até a gelatina se dissolver.

Batemos no liquidificador o iogurte, o leite condensado e a gelatina até ficar um creme homogêneo e espumante.
Arrumamos em taças e levamos à geladeira por aproximadamente duas horas.



Flan de iogurte com calda de frutas vermelhas



Para a calda nós colocamos as polpas das frutas em uma panela.

Adicionamos o açúcar e 100 ml de água. Levamos ao fogo até dissolver. Após atingir fervura abaixamos o fogo e deixamos a calda engrossar.


Flan de iogurte com calda de frutas vermelhas



Levamos a calda à geladeira para esfriar. 

Depois foi só montar e servir.



Flan de iogurte com calda de frutas vermelhas


Não fica lindo?

Aproveito para deixar aqui outras dicas de receitas com gelatina:



- Gelatina Cremosa de Frutas Vermelhas;
- Mosaico de Gelatina.






Você pode me encontrar também

domingo, 10 de dezembro de 2017

Semana 49 de 2017 - Perfeitamente Imperfeita


Primeira semana do mês de dezembro. Abertura oficial do final de ano com as suas comemorações e reflexões.Começas as retrospectivas, os planos, época de olhar para dentro e pensar no que quer do lado de fora. 

Época em que os filhos entram de férias e têm o descanso merecido depois de um ano de estudo, esforço. Aqui teve colo de mãe para tranquilizar e passar confiança antes da prova. 


Fico muito grata por ter filhas responsáveis e esforçadas em relação aos estudos. Tenho muito orgulho.

Época de florir, colorir, enfeitar e alegrar a casa. Uma simples caminhada até a floricultura na esquina pode trazer surpresas e proporcionar encontros. Foi assim quando fui buscar essas gérberas. Encontrei duas amigas, separadamente, de surpresa! Conversa rápida, mas inspiradora e cheia de promessas de mais encontros para o próximo ano. 


Fico grata por essas pequenezas cheias de grandiosidades do dia a dia.

Época em que os filmes falam dessa época. Fio assistir a comédia "Perfeita é a Mãe 2" na pré-estreia. Filme leve, divertido, mas que faz nós mulheres e mães e filhas nos sentirmos representadas e compreendidas. 


Fico grata por todas as oportunidades que o blog me proporciona. 

Época de repensar o que acontece dentro da gente e buscar novas opções para equilibrar melhor as emoções. Fui com a minha irmã assistir a um workshop de Mindfulness. Além de conhecer um pouco melhor sobre o assunto, tive a companhia da irmã e conheci a Maison, espaço cultural do Consulado da França no Rio. Um espaço superagradável e com vista linda (eu adoro a Igreja de Santa Luzia). 


Fico grata por cada oportunidade de conhecer algo novo. 

Época de dar presentes e ser presenteada. Foi assim com a pintura da gamela da minha amiga. Um presente que ela me deu: a oportunidade de pintar para ela e colocar um pouco da minha alegria dentro do seu lar.


Fico grata pelas amizades que tenho.

Época de reencontros e de relembrar os bons momentos. Foi assim o encontro com os amigos de trabalhos antigos que reencontramos e os novos que fizemos no Rio2016. É sempre muita emoção envolvida. 


Fico muito grata pelo rumo que a vida tomou e me proporcionou a oportunidade de fazer parte desse projeto único e inesquecível.

Época de comemorar a amizade construída a partir do trabalho e que fica mesmo quando cada uma seguiu para projetos diferentes. Sempre com muitos risos, algumas lágrimas (porque amigas são assim: falam das suas alegrias e das suas tristezas), e muita cumplicidade.


Sou muito grata por todo bem que essas amigas me fazem.

Época de festas!


Época de festejar muito mais do que mais um ano vivido, mas sim de festejar as experiências vividas, as emoções sentidas, os erros cometidos e os acertos consumados. Época de olhar para dentro, de se conectar, agradecer e pensar em melhorar. 

Época do ano em que nos empenhamos em refazer metas elevadas, em planejar mudanças nas pessoas que somos. Mas acima de tudo, época de parar e acreditar que já somos suficientes. Está certo querermos melhorar, tornar nossas vidas e de quem amamos melhores e mais incríveis. Perceber o quão incrível já somos nos faz atingir a maior parte das nossas metas. Melhorar sempre sim, mas sempre lembrando que já somos perfeitamente imperfeitos.

Sou muito grata por mais essa semana da minha vida perfeitamente imperfeita.


Este post faz parte da BC #52SemanasDeGratidão proposta pela Elaine Gaspareto que neste ano vai substituir a BC A Semana que aqui no blog substituiu a BC Pequenas Felicidades.



Você pode me encontrar também

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

Gamela Repaginada - Pintura com Amor

A minha amiga Raquel me entregou a sua gamela para eu pintar. Que responsabilidade! Dar uma cara nova para aquela peça cheia de história. 

Gamela pintada a mão

Assim como a minha gamela, a da Raquel foi comprada há alguns anos em sua viagem a Porto Seguro. Então, mais do que um simples objeto para levar comida a mesa a gamela traz lembranças e recordações de bons momentos. Assim são os objetos comprados em viagens, além de representar um pouco de quem somos, do que gostamos, representam também o que vivemos.

Gamela pintada a mão

Pensando na história daquela peça, no que ela representava para a minha a amiga e na confiança que esta amiga depositou em mim comecei, eu escolhi as cores que iria utilizar. Que responsabilidade! Assim escolhi as cores que iria utilizar e contei com a orientação e dicas da professora Odila Freire com quem faço as aulas de pintura.

Gamela pintada a mão

Esta peça que ficaria em algum lugar na casa da minha amiga precisava ter algo que a identificasse. Uma mulher batalhadora, forte, vibrante. Que responsabilidade! Escolhi as flores das laterais (iguais as que utilizei na minha gamela).

Gamela pintada a mão

E teria um pouco de mim na casa da Raquel! O que de mim eu queria que estive dentro do lar da minha amiga? Que responsabilidade! 

Eu queria que além do carinho que sinto por ela, a minha alegria também estivesse ali. Que o meu desejo de que o dia a dia da minha amiga seja sempre leve e acolhedor estivessem nessas peças. Que responsabilidade!

Já ouvi dizer que a gamela da Raquel ficou mais bonita do que a minha.

Gamela pintada a mão

Não sei! Eu gosto das duas! Só sei que a dela foi feita com mais amor. Isso foi!

Gamela pintada a mão

Sei também que fiquei muito feliz em dar essa repaginada na gamela cheia de história da Raquel. E apesar de a arte não ser toda minha, tem toda a criação da professora Odila Freire, até arrisquei a fazer uma assinatura no fundo para ter mais de mim na casa da Raquel.


E fiquei muito feliz ao vê-la feliz com a nova velha gamela cheia de história que agora está cheia de amor também. 


São essas pequenas vitórias que fazem trazem grandiosidade aos nossos dias.


Você pode me encontrar também

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

Filme Perfeita é a Mãe 2

“Perfeita é a Mãe 2” estreia amanhã, 07 de dezembro, aproveitando o período de férias e trazendo a temática do Natal. Eu, como fã do primeiro filme, estava doida para assistir essa sequência, mesmo sabendo que geralmente as continuações são mais fracas em comparação com o primeiro filme.

Filme Perfeita é a Mãe 2


Mas já garanto que mais uma vez a comédia me fez rir, me identificar e até me levou ao clima natalino. Saí da sessão da cabine de imprensa empolgada e comprei uns pisca-piscas para enfeitar a casa.

“Perfeita é a Mãe 2” se passa na semana que antecede o Natal, mas não se trata apenas de um filme de Natal para péssimas mães, nem um filme de péssimo Natal para mães. É sobre mães sobrecarregadas e cansadas de todas as expectativas que acompanham esse título, assim como no primeiro filme “Perfeita é a Mãe”.

Acontece que nesta época de Natal essa sobrecarga em cima das mulheres e mães aumenta muito com os diversos eventos de final de ano, preparação das festas, compra de presentes, etc. Quem nunca se perguntou ou ouviu uma amiga questionando, assim como a personagem Kiki, "Por que meu marido não pode comprar o presente de Natal da mãe dele?". Eu já ouvi várias vezes! Mas já percebi essas mesmas amigas surpresas quando eu digo que não compro os presentes da família do meu marido. Que essa tarefa é dele. Aí me perguntam: “E se ele não comprar?”. A resposta é simples: a família dele vai ficar sem presente. E eu sem culpa, nem vergonha. Ou seja, nos sentimos sobrecarregadas, mas nós mesmas nos cobramos. A mãe de Amy deixa isso bem claro com a fala: “Mães não precisam gostar, elas têm que trazer alegria.”. Mas será que a família realmente precisa de todo esse aparato e de todo esse esforço das mães para se sentirem felizes na noite de Natal? Pensando assim, quem nunca teve vontade de jogar as festas de final de ano para o alto e passar a noite de Natal de pijama de renas comendo pipoca e vendo um filme na TV com a família?

Essa é a vontade de Amy (Mila Kunis), Kiki (Kirtsten Bell) e Carla (Kathryn Hahn) que resolvem deixar as cobranças festivas de lado e ressignificar o Natal. O que elas não contavam é que suas respectivas mães, vividas respectivamente por Christine Baranski, a controladora, Cheryl Hines, a dependente, e Susan Sarandon, a mãe adolescente Rock and Roll, chegassem tão cedo, de forma confusa e inesperada, para as comemorações.

Uma celebração descontraída está fora dos planos da mãe de Amy, Ruth (Christine Baranski), que critica implacavelmente a criatividade, a ambição e a aparência física de Amy. Ruth está disposta a oferecer um Natal inesquecível para os netos, sem importar com as angústias de sua filha.

Já Carla Isis (Susan Sarandon), o tipo de mãe que ainda é uma garota de rock e foi uma roadie para REO Speedwagon por 15 anos. É como Carla, irresponsável, inconsequente, mas muito divertida. Vem dessa dupla no estilo tal mãe, tal filha algumas das cenas mais divertidas do filme.

A mãe de Kiki, Sandy (Cheryl Hines), tem obsessão por ter uma relação BFF com a filha, sendo assim inapropriadamente íntima, totalmente carente e sem limites.

Esse trio de personalidades tão distintas vão fazer parte da festa. Afinal as mães também têm mães.

Assim como o primeiro filme, “Perfeita é a Mãe 2”, traz lições morais sobre ser uma mãe (e criar uma criança). Traz também a questão de como ser filha, entender, aceitar e até impor limites na relação mãe-filha. Cria identificação com o espectador, qualquer um de nós poderia se relacionar facilmente com uma ou mais das personalidades dos personagens. Ou no mínimo nos lembramos de algumas amigas e situações. É divertido, engraçado, leve, com um toque sentimental.

Um bom programa para mães juntarem as amigas e deixarem as cobranças e tarefas de lado.



Você pode me encontrar também

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pin It button on image hover
▲ Topo