quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Noções de sobrevivência na água para crianças



Nesta semana estive na Academia Velox que eu frequentei desde que ali era outra academia e que a Ana Luiza também frequentou. Foi lá que ela fez aula de patinação também.

Mas o que eu fui fazer lá? Matar as saudades? Também. Mas o objetivo da minha visita foi assistir algumas aulas da Semana da Roupa.


Durante uma semana as crianças recebem dicas de sobrevivência na água. Além de receberem informações bem interessantes e superimportantes, as crianças experimentam situações de perigo simuladas ao lado dos professores e na presença dos pais. 





Essas aulas diferentes em que, em vez de somente técnicas de natação, as crianças aprendem também técnicas de salvamento e sobrevivência em situações adversas, ocorrem perto dos feriados e férias, porque é justamente nesses períodos que ocorrem o maior número de acidentes. Vamos ficar atentos!

Eu assisti a algumas aulas e fiquei surpresa com algumas dicas e situações. 

Algumas das orientações passadas pelos professores são reforços do que os pais tanto falam, como:

  • Não correr em volta da piscina;
  • Não empurrar o amigo;
  • Em situação de perigo chamar sempre um adulto.

Uma orientação que a princípio causa estranhamento nas crianças, mas depois elas compreendem é: 
  • Não tentar salvar o amigo. 
Para eles isso parece cruel no início, mas depois entendem que ao tentarem salvar um amigo estão se colocando em risco também. As orientações neste caso são:
  •  Chamar alguém que possa ajudar;
  • Jogar uma boia ou macarrão. 
Uma das técnicas passadas na aula é: em situação de perigo recorrer a boia e como segurá-la. 


Aliás, muito cuidado com boias.

  • Boias transmitem uma falsa sensação de segurança. Elas podem virar e as crianças ficarem com a cabeça dentro d'água.

Situações como esta são simuladas durante as aulas e as crianças são orientadas em como se desvencilhar delas. Olha só a mãe tensa imaginando a situação real?!
  • Nunca utilizá-las na praia. 

Se estiver na beira da piscina e perceber que vai cair:
  • Espalmar as mãos sobre a água e manter a cabeça fora d'água.


Se estiver cansado qual o melhor nado a utilizar, cachorrinho ou soldadinho?

  • Soldadinho, o nado de costas, pois ele exige menos e descansa mais. 

As crianças aprendem também como se deixarem ser ajudadas.



Mas por que semana da roupa? Porque muitas das situações de risco em piscinas e algumas no mar ocorrem quando estamos vestidos. E é mais difícil nadar e se salvar estando de roupas. Então, todas as crianças são convidadas a entrar na água com roupas em vez de maiô ou sunga. Assim elas experimentam a sensação e sentem a diferença que é nadar com ou sem roupa.


Sendo assim, outra dica é:

  • Caiu na água de roupa e está em situação de perigo? Retira a roupa para aliviar o peso. 
Você sabia que é muito mais fácil retirar a roupa estando embaixo d'água? Eu não sabia e aprendi assistindo a aula. 



O objetivo das aulas é conscientizar as crianças e seus pais dos cuidados a serem tomados perto de piscinas, praias e lagos, locais frequentemente visitados com a proximidade do verão.

Por isso, além das crianças, nas turmas dos menores, os pais também recebem orientação. 

A filha vai cair de costas na água, sem a mãe ver. Pelo barulho ela tem que ser ágil o suficiente para tirar a criança de dentro da água. Gente, olha a carinha dessa mãe?! Desespero só em imaginar a situação, né?



Duas situações na turma dos pequenos, de dois a três anos, me surpreenderam muito:

1 - Simular um brinquedo caindo na piscina e a criança se jogando para pegá-lo.


A primeira reação das crianças foi pular para ir atrás do brinquedo.
Foi perguntado para essas crianças que já fazem natação, que já recebem a orientação de nunca entrarem na água sozinhas:

- Pode entrar na piscina sozinho?
- Pra pegar brinquedo sim.
- Sem a mamãe pode?
- Pra pegar o brinquedo...
- Não pode. Porque é perigoso.


2 - Dançando em uma festa e sem querer cai na piscina. A mãe tem que pegar a criança. Alguns brinquedos estavam boiando sobre a água.

A criança mesmo em situação de perigo, em vez de nadar em direção à mãe, ela foi em direção ao brinquedo se afastando da mãe. 

Logo, brinquedos perto de piscina com crianças pequenas exigem atenção. 






Você pode me encontrar também

A Autora:
Chris Ferreira

Chris Ferreira

Eu, uma mãe integral mesmo trabalhando em horário comercial, que procura equilibrar os diferentes papéis da mulher com prioridades e alegria.

Acredito que podemos levar a vida a sério, mas de forma divertida e é isto que eu tento mostrar no blog.

Google +

5 comentários:

  1. Parabéns pelo post e iniciativa de trazer pra cá, muito importante, Chris.
    Ninguém está em absoluto livre das fatalidades, por isso é importante estar preparado sempre. Amei e também não sabia sobre ser mais fácil tirar a roupa embaixo da água e fiquei impressionada com o lance dos brinquedos. Compartilhando aqui.
    Beijo, beijo!
    She

    ResponderExcluir
  2. Querida Chris
    O que eu aprendi aqui!!!
    Muito obrigada.
    Tenho uma neta que, se lhe fosse permitido, passava o tempo debaixo de água.Fico até assustada, com os minutos que ela demora sem respirar e é ainda muito pequena. AGORA TENHO AQUI UMA MÃO CHEIA DE CONSELHOS PARA ELA.OBRIGADA.
    BOM FIM DE SEMANA.
    UM BEIJINHO
    BEATRIZ
    http://pegadasdeanjo.blogspot.com
    VIDA E PENSAMENTOS

    ResponderExcluir
  3. Que dicas incríveis, querida! Tão importante é incentivar as crianças a fazerem natação! Porque além de praticarem uma atividade física, é uma questão de segurança! Ótimas dicas... bjo

    ResponderExcluir
  4. Gente! Que demais essa aula! Eu achei até melhor que aula de natação em si! Queria muito que meu filho tivesse aulas assim! Mas as dicas do post já ajudam bastante!

    ResponderExcluir
  5. Adorei estas dicas!!!!! Na natação da minha filha já fizeram uma atividade semelhante e achei incrível. E o espaço desta natação é muito legal, né?! Adorei!!! Beijos Regina

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pin It button on image hover
▲ Topo