quinta-feira, 21 de março de 2019

Sydney - Escalamos a Harbour Bridge e nos superamos!



A Harbour Bridge é um dos mais icônicos pontos turísticos de Sydney, competindo saudavelmente com a sua companheira de frente, a Opera House. Os dois pontos ficam em lados opostos, frente a frente, no Quay.

Passamos os dias da nossa semana em Sydney contemplando a Habour Bridge do mar, no ferry que nos levava às praias, de baixo dela em caminhada pelo The Rocks, de frente quando estávamos na Opera House, de dia brilhando com o sol e à noite com as luzes acesas.

E sempre vendo grupos de pessoas que se aventuraram na escalada da estrutura de ferro de arcos cinzentos e radiantes. Pensávamos: será que a gente encara? Será que a gente aguenta?

A Ana Luiza com medo de altura que em determinadas situações a deixa tonta e com sensação de que vai desmaiar. Eu com receio de não ter fôlego já que diziam ser 1.300 degraus.

Resolvemos encarar! Deixamos para o último dia da nossa viagem de 20 dias pela Austrália. Foi como fechar com chave de ouro.


Vale a pena escalar a Harbour Bridge em Sydney?

Marcamos para a parte da manhã bem cedo. Demos sorte de ser uma manhã de sol e com a temperatura boa, sem calor demais.

Na chegada ao escritório na Cumberland Street, The Rocks, eu fizemos o check-in na recepção e subimos as escadas para aguardar e conhecer o nosso grupo. Já nesse primeiro lance de subida as minhas dúvidas sobre o meu preparo físico para aguentar a escalada aumentaram.

Ali sentada vi algumas fotos de pessoas que já se aventuraram sobre os arcos da ponte. Observei no povo mais velho e com físicos não atléticos. Fiquei feliz que vi várias pessoas de várias idades, desde crianças até terceira idade. Relaxei um pouco.

Em seguida entramos e passamos pelos procedimentos de segurança, teste de respiração e tal, onde também recebemos a roupa apropriada para a escalada. Aí dei uma relaxada, apesar de achar que iria desidratar dentro daquele macacão cinza e azul.

Já monidas de todo o equipamento: mosquetão, fones de ouvido, boné, e o tal macacão fomos fazer o treinamento para a parte íngreme da ponte. Isso mesmo. Como o início da subida envolve a subida de alguns degraus muito íngremes até o arco, há uma área montada dentro do prédio para se ter uma prática prévia. Se você achar que pode não conseguir, terá a opção de cancelar sua escalada.

Euzinha já imaginei que a subida dos tais 1.300 degraus seria nesse top e achei que iria morrer no meio do percurso, mas preferi morrer com essa experiência para contar para os anjos, e segui em frente.

O nosso grupo era composto por uma família canadense com pai super empolgado, mãe cheia de disposição e duas crianças cheias de energia, um casal novinho nodo animadinho, a Ana Luiza com as pernas tremendo com o medo da altura e eu com a respiração ofegante só pelo treino. Aparentemente todos prontos, lá fomos nós!

A Ana Luiza foi na frente e eu em seguida. Assim que começamos o trajeto pela para inferior da ponte, embaixo do arco principal, com o tráfego abaixo de nós, a minha preocupação ficou voltada para a Ana Luiza, em seguida começamos a ouvir sobre a história da construção da ponte, observar a estrutura e contemplar o visual. Assim fomos relaxando e esquecendo nossos medos.

Passamos com louvor pela parte íngreme com 120 degraus totalmente na vertical, separados em blocos de 20, abertos para que possamos ver tudo ao redor e abaixo de nós. O corrimão e o fato de estarmos presas nos faz sentir seguros. Tranquilo. A subida é feita lentamente, sem pressa, com tempo para cada um. Uma pessoa pode vez em cada lance.


Enfim chegamos ao início do aro. Lindo! Aqui a subida se torna menos íngreme, os degraus são mais largos e mais fechados, e o visual é espetacular. Empolgação total. Nessa hora eu fiquei mais empolgada do que o pai, mais cheia de disposição do que a mãe, com mais energia do que as crianças e mais animada do que o casal. E a Ana Luiza estava de boa, sem medo.


O que fazer em Sydney


Fomos subindo em direção ao todo do arco calmamente e com paradas estratégicas para ouvir histórias da cidade e da ponte.

As fotos são feitas pelo guia (por isso as fotos com dedinhos de positivo), no nosso caso pela guia, já que não podemos levar nada com a gente durante a escalada. Nem celular, nem máquina fotográfica, nem garrafa de água. Tem três pontos com bebedouro durante a subida que são mais do que suficientes. O único item permitido são os óculos e eles fornecem uma cordinha para prendê-los.

A cada lance que subimos a vista fica melhor e melhor.


 O que fazer em Sydney

Ao chegarmos ao topo do arco, a 134 metros acima do mar, o visual fica deslumbrante. Dá vontade de morar em Sydney pra sempre! Tivemos tempo suficiente para absorver o panorama de 360 ​​graus da cidade, localizar os pontos que já tínhamos visitado e identificar outros que apenas passamos por ele. A vista alcança até as Blue Mountains!


O que fazer em Sydney


Atravessamos o topo da Habour Bridge para iniciar a nossa descida com a sensação maravilhosa estar no topo de um edifício tão icônico com um visual incrível e mais ainda, com a sensação maravilhosa de superação, de conseguimos, de que bom que persistimos e não desistimos diante dos nossos medos. Encarar o desafio foi mais do que recompensador, foi uma injeção de "sou capaz" na nossa autoestima.

Outros passeios em Sydney:






Você pode me encontrar também
A Autora:
Chris Ferreira

Chris Ferreira

Eu, uma mãe integral mesmo trabalhando em horário comercial, que procura equilibrar os diferentes papéis da mulher com prioridades e alegria.

Acredito que podemos levar a vida a sério, mas de forma divertida e é isto que eu tento mostrar no blog.

Google +

8 comentários:

  1. Que legal, Chris! Sua filha está uma mulher! Novas aventuras com ela em nova fase, né?!
    Beijo, beijo!
    She

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi She, muitas aventuras nessa fase. Muito bom viver isso.
      Beijos
      Chris

      Excluir
  2. adorei conhecer esse lugar e esse passeio radical que vcs fizeram por lá!

    www.tofucolorido.com.br
    www.facebook.com/blogtofucolorido

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O passeio parece radical, rola uma adrenalina inicial, mas o visual é tão lindo que a gente até relaxa.
      Beijos
      Chris

      Excluir
  3. Que cenário incrível!

    Uma linda viagem

    beijos.

    jovensmaesblog.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bruna, foi uma viagem muito kkk inda sim. Inesquecível.
      Beijos
      Chris

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Pin It button on image hover
▲ Topo